XCEED(ER) AS EXPECTATIVAS

QUEM LIDERA A VOTAÇÃO PARA O ROCK & ROLL WALL OF FAME?
16 de Fevereiro, 2021
ESPORÃO RESERVA 2019: A PRIMEIRA COLHEITA COM CERTIFICAÇÃO BIOLÓGICA
17 de Fevereiro, 2021

XCEED(ER) AS EXPECTATIVAS

Quer um crossover, mas com um aspeto dinâmico. Versátil, mas que não seja enfadonho de conduzir em estrada. Com a eficiência e a economia de utilização de um elétrico, mas com a autonomia de um automóvel convencional. Com um preço competitivo, mas uma lista de equipamento interminável.

Epá! Quer um milagre?

Mas talvez não seja assim tão descabido como pensa…

O novo Kia XCeed PHEV cumpre integralmente quase todos estes requisitos e ainda oferece 7 anos de garantia ou 150 000 km. É o carro perfeito? Não, mas dentro do seu patamar de preço (43 000€ sem desconto e 33 250€ com a atual campanha em vigor) é, sem dúvida, das opções mais sensatas.

Fiel ao conceito crossover, o XCeed apresenta uma maior altura ao solo (desde os 172 mm), mas uma silhueta sóbria e muito próxima de uma berlina tradicional.

O mesmo se passa com o interior, muito semelhante ao do ceed convencional. Não que isto seja um defeito, antes pelo contrário, já que o pequeno familiar coreano é bem construído e, acima de muitíssimo bem equipado.

O espaço interior é similar ao de qualquer outro XCeed “convencional” e, tirando os comandos específicos para alternar entre os modos híbrido e elétrico e algumas funções específicas do infotainment, e dificilmente diríamos que estamos na presença de um XCeed “especial”.

Então este é um XCeed igual aos outros? Não, e as diferenças começam logo nas jantes de 16” (mais pequenas e eficientes) de desenho específico e na capacidade da mala, que foi reduzida para os 291 litros de capacidade (426 litros nos XCeed apenas com motor de combustão). E isto porque parte do espaço sob a bagageira serviu para acomodar o pack de baterias de 8,9 kWh de capacidade que permite ao XCeed PHEV cumprir até 59 km de autonomia em modo 100% elétrico.

As referidas baterias são responsáveis por “alimentar” o motor elétrico de 61 cv que se associa ao 1.6 GDI (injeção direta de gasolina) de 105 cv e resultam numa potência combinada de 141 cv (265 Nm). O sistema híbrido plug-in que equipa o XCeed PHEV é complementado por uma caixa de velocidade DCT de dupla embraiagem com seis velocidades, uma solução que difere das CVT (variação contínua) ou do tipo CVT (como o trem epicicloidal que a Toyota utiliza) que tradicionalmente são utilizadas nos híbridos.

Mais rápida e muito suave, a DCT tem ainda a vantagem de não provocar o habitual desfasamento entre a carga de acelerador e o ganho de velocidade que provoca um desconcertante acréscimo de ruído da mecânica e que muitos clientes criticam.

Mas tudo isto acrescenta peso ao Kia? Claro! E não é tão pouco assim, já que no caso do XCeed só as baterias contribuem com 117 kg para a “engorda”. No total, o XCeed PHEV pesa quase 1600 kg. Mas não se deixe demover. Apesar de anafado, o crossover coreano mexe-se com muita energia e desenvoltura e não é especialmente glutão. Ou melhor, é quase um “pisco” na altura de exigir alimento. Durante os mais 500 km que percorremos, terminámos com uma média de 5,7 l/100 km depois de esgotada a autonomia elétrica. Se, como é esse o objetivo, carregar o XCeed PHEV sempre que possível, pode contar com consumos bem mais baixos e médias que podem não superar os 3 l/100 km.

Ou seja, na prática e se carregar diariamente o Kia, consegue fazer os trajetos diários casa-emprego-casa quase sem gastar gasolina. Isto desde que a distância total ronde os 40 km (nunca conseguimos percorrer mais do que essa distância no modo EV). Aos fins de semana ou nas viagens de maior duração, os consumos são comparáveis aos de um Diesel e sempre mais baixos do que os congéneres equipados apenas com motor de combustão a gasolina.

Este artigo foi escrito por Rui Reis