PATEIRA DE FERMENTELOS. UM TESOURO ESCONDIDO À VISTA DE TODOS

MERCADO NEGRO DOS CERTIFICADOS DE VACINAÇÃO FALSOS JÁ INCLUI PORTUGAL
20 de Setembro, 2021
SEMANA DO CINEMA EUROPEU ESTÁ DE VOLTA
20 de Setembro, 2021

PATEIRA DE FERMENTELOS. UM TESOURO ESCONDIDO À VISTA DE TODOS

A Pateira de Fermentelos é a maior lagoa natural da península ibérica, ocupando (dependendo da época do ano) uma área que pode chegar aos 5 km2. O nome Pateira deriva da abundância de patos e aves aquáticas que utilizam a área para nidificar ou simplesmente como ponto de escala entre migrações. Verdadeiro oásis de biodiversidade, com paisagens únicas e um espelho de água imenso e com potencialidades ímpares, este tesouro continua “escondido” para muitos e se é verdade que, a bem da preservação da natureza, uma exploração desenfreada poderia levar ao declínio deste paraíso natural, não se percebe como é que a maioria dos portugueses (correndo o risco de ser injusto) não o conhece?

Começando pela sua posição geográfica, a Pateira de Fermentelos abrange três concelhos, embora se posicione, maioritariamente, no de Águeda, abrangendo ainda os concelhos de Aveiro e Oliveira do Bairro. Em termos hidrográficos, a lagoa da Pateira está compreendida na bacia hidrográfica do rio Cértima a qual, por sua vez, se insere na bacia hidrográfica do rio Águeda e esta, na bacia do rio Vouga. Na prática, a sua localização praticamente a 10 minutos da saída da A1 torna ainda mais peculiar o aparente desconhecimento de muitos portugueses.

A maneira mais fácil de visitar a Pateira é utilizar Fermentelos como ponto de partida. Vila pacata, mas bem servida de serviços e comércio, com alguns restaurante dignos de visita e uma oferta hoteleira em crescendo, é a “base” ideal para explorar a região em geral e a Pateira em particular. Durante anos estagnada no tempo, Fermentelos tem vindo a sofrer uma transformação que se acentuou nos últimos cinco anos. Para melhor perceber esta realidade, a New Men falou com Carlos Lemos, Presidente da Junta de Freguesia de Fermentelos que nos confidenciou o muito que ainda há a fazer pela vila e pela aproximação desta e dos seus habitantes à Pateira, o ex-libris da região. Uma das curiosidades realçada nesta conversa foi o facto de Fermentelos ser a vila da música, uma conotação que fica bem marcada no monumento à música instalado no centro da localidade. Para isso contribui o facto de Fermentelos ser a única, ou pelo menos das pouquíssimas, vilas portuguesas que acolhe duas bandas filarmónicas centenárias (uma com mais de 150 anos e a outra cumpre 100 anos este ano).

Mas para Carlos Lemos, o projeto que irá colocar, definitivamente, Fermentelos no mapa é o “Eco-Pateira”. Este desafio, que já começou a dar os primeiros (e decisivos) passos, começou com a aquisição de vários terrenos que formam a margem da lagoa e, de seguida, reestruturar e reabilitar toda esta zona. O projeto Eco-Pateira, prevê a criação de ciclovias (que poderão estender-se ao interior da vila e promover uma ligação ecológica à zona da lagoa), parque de refeições, uma zona especifica para a pesca e outra para banhos e até uma área para a pernoita de auto-caravanas. A ideia é, não só atrair mais visitantes à região, mas também devolver a lagoa aos habitantes de Fermentelos, promovendo a ligação destes a um espaço que será de lazer, mas também de contemplação e de usufruto das famílias. Como Carlos Lemos confidencia, “eu próprio, faço diariamente este pequeno trajeto de automóvel ou a pé até à Pateira para relaxar e observar um dos por-do-sol mais magníficos que conheço. É uma espécie de terapia anti-stress que faço diariamente e que gostaria que todos os habitantes de Fermentelos pudessem fazer.”

Por fim, quando questionado sobre quando estará o projeto concluído, o Presidente da Junta de Freguesia, respondeu com inegável convicção de que “até ao próximo verão em 2022, a Eco-Pateira estará quase totalmente operacional”.

Com mais ou menos infraestrutura de apoio, a verdade é que a Pateira de Fermentelos é merecedora de divulgação e de uma visita. Se o decidir fazer e pernoitar na região, sim porque a Pateira merece uma visita mais demorada e Aveiro é já ali ao lado, sugerimos o Hotel HMB Hotels Fermentelos um alojamento modesto nos preços praticados, mas muito acima das expectativas. Surpreendidos pela qualidade e espaço dos quartos e pelas áreas comuns arejadas, é difícil “aceitar” que esta unidade só possui 1 estrela. Sabemos que é uma opção do proprietário e que o Hotel poderia ter uma classificação superior, até porque detalhes como a presença dos habituais (não num espaço de 1 estrela) sabonetes e embalagens de shampoo e gel de banho revelam bem o real posicionamento do alojamento.


Um dos detalhes mais curiosos e práticos é a possibilidade de fazer o check-in ou até a reserva de um quarto fora de horas. O segredo está numa espécie de “mordomo” virtual colocado no exterior do edifício e que permite aos viajantes, mesmo sem reserva prévia, chegar, pagar o quarto e receber a chave no momento. Este procedimento liberta o hóspede da necessidade de chegar a uma determinada hora e o Hotel de ter uma pessoa fisicamente presente (embora durante o período diurno o tenha) 24h por dia.
Com pequeno almoço a pedido (seja nas instalações do Hotel ou na pastelaria ao lado), o HMB Hotels Fermentelos chegou a ter serviço de refeições, mas com a Pandemia suspendeu a atividade. Mas não se preocupe, a oferta gastronómica na região garante que a sua refeição será sempre memorável. Além disso, o Hotel terá em breve um roteiro gastronómico em parceria com alguns restaurantes da zona e que dará acesso a vales de desconto. Que assim seja!

Neste campo da restauração, a New Men sugere o restaurante Pôr do Sol (tlm. 919 630 838), em alusão à magnifica vista que o terraço proporciona. Um espaço paredes meias com a Pateira divide as atenções entre a paisagem que o circunda e os pratos que serve. Da caldeirada de enguias ao arroz de marisco, passando pelas carnes grelhadas, o difícil será abandonar o espaço. Até porque, e como não nos cansamos de referir, aquela vista vale, por si só, uma visita.

Depois de um dia a explorar a Pateira, a tentar descobrir a variedade de espécies de aves aquáticas e a miriade de recantos onde nidificam, a observar os pescadores a tentar a sorte com os achigãs e a confraternizar num dos cafés da vila, chegou a altura de jantar. Aceitámos a sugestão do proprietário do Hotel HMB e rumámos ao Dom Rogério. Um dos restaurantes mais reputados na zona (fica situado em Oiã, a 10 minutos do Hotel) e é fácil perceber porquê… Com uma carta que mistura os melhores cortes de carne (o bife na pedra é de comer e chorar por mais) com os peixes e mariscos mais frescos, o Dom Rogério é um templo dedicado à comida (e aos bons vinhos) que vale a pena visitar. Criterioso e exigente na escolha dos produtos, o proprietário só trabalha com os melhores fornecedores, garantia de que tudo o que serve aos clientes é de 1ª qualidade. Por sugestão do mesmo, para além do naco na pedra, provámos um robalo de mar grelhado que parecia ter sido pescado à minutos e colocado diretamente na grelha.

Já agora, peça também a sugestão do vinho e, no final, para descontrair e se ainda estiver com vontade de um “refresco” peça uma laranjinha, acredite que vale a pena…

Depois de uma bem merecida noite de descanso no HMB Hotels, partimos à descoberta das outras belezas da região. Passámos pela Igreja Matriz, pelo Cruzeiro, pelo já referido monumento à música, pela Capela de Stº Inácio e, novamente, pela Pateira.

De regresso à redação da New Men recordámos as imagens gravadas na memória de um local onde o tempo parece correr mais devagar, onde o passado e o presente se fundem sem atropelos e a gentileza das pessoas que acolhem os visitantes como se fossem da família. Como é que é possível que este local, quase desconhecido para muitos, esteja “escondido” a dois passos de Aveiro e, literalmente, ao lado da principal via de ligação entre Lisboa e o Porto? Um paraíso que ainda se mantém incógnito, mas que vale a pena conhecer e divulgar, não esquecendo nunca a necessidade imperiosa de o proteger. De salvaguardar uma paisagem natural ímpar, onde a fauna e a flora ainda vivem em harmonia com as populações e em que o turismo desregrado não deturpou. Haja coragem para o fazer, porque nós, na New Men, tudo faremos para divulgar e apoiar.

Texto escrito por Rui Reis