A ESTREIA DO DOCUMENTÁRIO SOBRE “BIGGIE” NA NETFLIX

CASCAIS RECEBE O CIRCUITO MUNDIAL DE PADEL
22 de Fevereiro, 2021
NÚMERO DE INSCRITOS NO CENTRO DE EMPREGO AUMENTA EXPONENCIALMENTE
22 de Fevereiro, 2021

A ESTREIA DO DOCUMENTÁRIO SOBRE “BIGGIE” NA NETFLIX

Esta é o primeiro documentário sobre Notorious B.I.G. autorizado pela família e com depoimentos da mesma.

“Biggie: I Got a Story to Tell” demorou quatro anos até estar concluído e “rouba” o nome de um dos seus últimos singles. O filme realizado por Emmett Malloy teve a autorização da família e já tem estreia marcada para dia 1 de março. Esta é uma oportunidade de conhecer com mais detalhe um dos rappers dos anos 80/90 que marcou o hip hop para sempre.

Os grandes fãs de “Biggie” sabem ao que nos referimos quando falamos de East Coast. Nessa época havia várias tensões entre grupos de diferentes regiões geográficas. Várias séries e filme já tentaram reportar o clima que se vivia. A zona Este era liderada por Notorious e pelos Wu-Tang Clan – duas grandes referências para a cultura.

O rapper cresceu em Brooklyn e influenciou em larga escala a população à sua volta. O novo documentário da Netflix contará com entrevistas da sua mãe, conhecida por “Diddy”, cantora e ainda a atual viúva do artista. Esta é uma oportunidade para conhecer ao detalhe a sua história e as decisões que enfrentou durante a sua carreira e vida pessoal. Sabemos ainda que estão presentes imagens exclusivas nunca antes divulgadas.

No comunicado feito pela plataforma lê-se “célebre pela sua fluidez ímpar e letras autobiográficas, este documentário homenageia a sua vida com imagens de bastidores raras e os depoimentos de familiares e amigos íntimos”.

Apesar de ter falecido cedo, aos 24 anos, Notorious B.I.G. tornou-se um dos fundadores do movimento: hip hop. Através das suas letras partilhava a realidade vivida, abordando temas como o racismo, consumo de drogas e o crime nas ruas de Nova Iorque. Em vida apenas lançou dois álbuns – Ready to Die, lançado em 1994, e Life After Death, em 1997 – que rapidamente despertaram as atenções do mundo, sem ainda saber que a sua obra seria para sempre eternizada.

Este artigo foi escrito por Marta Pereira Laranjeira